sexta-feira, 20 de junho de 2014

A Festa do Corpo.

         Por ocasião da celebração da data, abaixo transcrevo o artigo de Frei Betto a respeito, sugerindo que reflitamos sobre cada parágrafo.

 

_________________________________

Transcrição de artigo publicado no Jornal O Globo, de 19.06.2014

 

Autoria de Frei Betto.

 

                                      A festa do Corpo

 

"Somos feitos de matéria estelar. Espírito não é algo que se opõe à carne, mas sua expressão mais profunda e luminosa."

 

 

 

         Corpus Christi é a festa em que a Igreja Católica celebra a instituição do sacramento da eucaristia. No século 13, Santa Juliana, francesa, viu em sonho, aos 16 anos, a Lua com pequena mancha escura. Interpretou como sendo a Igreja iluminada por suas festas e, a mancha, sinal de ausência de data dedicada ao Corpo de Cristo.

        

         O cristianismo é a religião do corpo, malgrado as sequelas platônicas. No Credo, proclamamos nossa fé, não na ressurreição da alma ou do espírito, mas na "ressurreição da carne".

 

         A cultura da morte faz do corpo objeto de sujeição. A pessoa é reduzida à força de trabalho. Suga-se de seu corpo toda a vida, sem que lhe pague o salário justo para que possa florescer em sua potencialidade espiritual: cultura, lazer, criatividade.

 

         Tais direitos ficam restritos àqueles que podem gravitar em torno do culto hedonista do corpo. Há um infindável estímulo consumista para exaltar a estética do corpo: publicações, cosmésticos, academias de ginástica, cardápios 'diet' etc.

 

         A cultura da vida sacraliza o corpo. Para Jesus, ele é morada de Deus. A própria divindade se faz corpo no homem Jesus. A quem lhe indagou o percurso para a vida eterna (o doutor da lei, Zaqueu, Nicodemos etc.), Jesus respondeu com ironia.

 

         A quem lhe pediu vida nesta vida, um corpo saudável como expressão do dom maior de Deus, Jesus atendeu com amor: o cego que pediu a cura  para recuperar a visão, o paralítico que desejou andar, a mulher atormentada pela hemorragia, o homem da mão sêca que suplicou por saúde.

 

         Jesus restaurou corpos (milagres); alimentou corpos (partilha dos pães e dos peixes); celebrou corpos (bodas de Caná e o Reino de Deus comparado a banquetes).

 

         Uma sociedade que segrega corpos pela cor da pele ou submete-os por relações injustas de trabalho é contrária aos princípios do Evangelho.

 

         O Corpo de Deus, em Jesus, é rejeitado, difamado, preso, condenado, torturado, crucificado. Contudo, "no primeiro dia da semana", seu corpo ressuscitou, primícia e promessa de que nossos corpos haverão de vencer a morte.

 

         Jesus permanece entre nós na forma de pão. Todo pão que se partilha é eucaristicamente dotado de presença divina. Pães materiais - salário digno, emprego, direitos reconhecidos; e pães simbólicos -, o gesto de carinho, a solidariedade, o amor.

 

         Nosso corpo traz a história do Universo. Todas as células foram tecidas por moléculas feitas de átomos engendrados no 'Big Bang' e cozinhados no calor das estrelas. Somos feitos de matéria estelar. Na intimidade atômica, cada partícula é também onda, como se a natureza risse de nossa lógica cartesiana incapaz de apreender que toda matéria, inclusive o nosso corpo, é energia condensada.

 

         Espírito não é algo que se opõe à carne, mas sua expressão mais profunda e luminosa. É fantástico que a própria natureza, em trajes bordados pela química e em baile ritmado pela física, tenha aflorado em seres dotados de inteligência capaz de decifrar os seus enigmas e apreender o seu sentido.

 

--------------------------------------------------------

 

Arauto do Templo