quinta-feira, 22 de maio de 2014

Ideal Templário

 

 

TempleBrasil

 

Associação de Estudos e Formação Templária

 

Ordo Supremus Militaris Templi Hierosolymitani – OSMTHPorto

 

Priorado Magistral do Rio de Janeiro

                                                       

Rio de Janeiro, 22 de Maio de 2014

 

 

IDEAL TEMPLÁRIO

 

O QUE SE ESPERA DE UM CAVALEIRO DA OSMTH – PORTO – Pt

PERTENCENTE AO PRIORADO MAGISTRAL DO RIO DE JANEIRO

 

Além da observância do nosso Sumário de Condutas:

 

   Que esteja imbuído até o mais recôndito de seu ser do espírito da Ordem -  “Non nobis Domine, non nobis, sed nomine Tuo da Gloriam” – Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao Teu nome toda a Glória. Ou seja, que todos as suas palavras e atitudes tenham sempre como pano de fundo a humildade. Evite palavras ou publicações fúteis somente para se sobressair e, especialmente, se vangloriar.

   Que seja ativo. Que não fique acomodado com a posição já alcançada.

   Que tenha iniciativa. Se prevista em nosso Sumário de Condutas, que não fique esperando ordens de seus superiores.

   Que seja solidário, compassivo e paciente. Ouça e aconselhe, dentro do possível, os sofredores e os menos favorecidos.

   Que encare o Templarismo como um Apostolado e não como um Status Social.

   Que persevere até conseguir o seu objetivo. Desistir é abandonar a luta.

   Que tenha sempre a Temperança como sua Conselheira. Assim fazendo estará evitando a falha tanto pela escassez como pelo excesso.

   Que tenha sempre a Sabedoria como sua Mestra. Antes de uma decisão, pondere e reflita bastante.

   Que evite as conversas fúteis, a maledicência e a crítica ao desempenho dos demais Irmãos. Tais práticas, além de não acrescentarem nada de útil, levam à intrigas e discórdias.

   Que, sentindo-se descontente, comunique o fato ao superior hierárquico. Não dissemine sua insatisfação, pois além de não resolver seu problema, contaminará os demais Irmãos.

   Que se manifeste publicamente uma vez por mês, pelo menos, através de um Artigo seu em Blog próprio, nos Blogs/Site da TempleBrasil e nos Grupos do Yahoo. Exercite a dialética. Temas para artigos é o que não faltam no momento. Você é capaz, sim. Sabemos disso, pois escreveu vários  durante a sua Formação Templária. Ele é a sua voz. Faça com que a ouçam.

   Que se vincule a uma atividade de cunho beneficente em Ong’s confiáveis e publicamente reconhecidas ou em Pastorais da Igreja. A colaboração só em dinheiro soa como esmola. Já sob a forma de gêneros, agasalhos, ou mesmo só palavras, desde que acompanhadas da presença física, soam como caridade de fato.

   Que se esforce para conseguir seguidores para nossa Ordem, e não para si através das Listas Sociais. É importante não ser inconveniente ou insistente demais. Que visite os Deptos. de História das Faculdades de sua cidade. Consiga uma reunião com os alunos. Divulgue nossa Camiseta e o nosso Adesivo.

   Que use as Listas Sociais para publicação de seus Artigos também, ao invés de pura “troca de figurinhas” como vem ocorrendo.

   Que nunca desista de encontrar a Verdade (o seu Santo Graal). Deixei esse tópico para o final para poder falar dele especificamente sob a forma de Crescimento Espiritual, tema que vem sendo objeto de reclamação por parte de alguns por não termos um Curso específico para tal.

 

CRESCIMENTO ESPIRITUAL

 

        É na busca da Verdade que se adquire o Crescimento Espiritual.

        Se o Cavaleiro é um Místico, não precisa fazer nada, pois nasceu com o Conhecimento. Todas as informações que venha a necessitar são-lhes passadas através de Revelações, Sonhos, Inspiração, Vozes....Como esse não é o caso, o Crescimento Espiritual somente se dá através da Iniciação, seguida de muita leitura, especialmente sobre esoterismo, simbologia, pesquisa e comparações entre as diversas religiões e Tradições; da prática das Condutas Templárias; da prática da Meditação (que é a mesma coisa que Reflexão e Contemplação); da prática da humildade (Non nobis Domine...).

 

Ser iniciado significa “morrer” (para os antigos conhecimentos) e “nascer de novo” (para os novos), conforme atestado por Mestre Jesus, o Cristo, no texto Evangélico abaixo:

 

O encontro com Nicodemos - ...Rabi, sabemos que vens da parte de Deus como mestre, pois ninguém pode fazer os sinais que fazes, se Deus não estiver com ele”. Jesus lhe respondeu: “Em verdade, em verdade, te digo: quem não nascer de novo não pode ver o Reino de Deus”. Disse-lhe Nicodemos: “Como pode um homem nascer, sendo já velho? Poderá entrar segunda vez no seio de sua mãe e nascer? Respondeu-lhe Jesus: “Em verdade, em verdade, te digo: quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no Reino de Deus. O que nasceu da carne é carne, o que nasceu do Espírito é espírito. Não te admires de eu te haver dito: vós deveis nascer de novo. O vento sopra onde quer e ouves o seu ruído, mas não sabes de onde vem nem para onde vai. Assim acontece com todo aquele que nasceu do Espírito.” JOÃO 3 (2 – 8).

 

De fato, não temos Cartilha nem Apostilas de Crescimento Espiritual com exercícios de desenvolvimento e testes de múltipla escolha ao final. Temos 4 Volumes de Conhecimentos básicos da Espiritualidade das Tradições, onde se encontram os fundamentos que deram origem às diversas religiões mais antigas. Ao final de cada Volume pede-se que se expresse com a maior profundidade possível o entendimento de cada tema abordado.

 

No Templarismo a iniciação se dá com a Investidura. Daí em diante o Cavaleiro passa a fazer parte da “Egrégora Templária”, que tem em Jesus, o Cristo, seu único Mestre e Senhor. O Crescimento Espiritual está diretamente associado à dedicação às Práticas Templárias e aos estudos.

 

 

 Fr. João Baptista Neto (MC)

                    Prior

 

 

 

 

 

terça-feira, 13 de maio de 2014

Campanha e Manifesto contra o sequestro da Nigéria

Abaixo a Campanha que está sendo levada a efeito pela “Hermandad Soberana de Damas y Caballeros del Temple” – Priorado da Espanha da OSMTJ, a qual o Priorado Magistral do Rio de Janeiro – OSMTH – Porto - PT está aderindo.

Convocamos

todas as Ordens Templárias

e todos os Templários

A Liberdade e a dignidade são princípios sagrados e por isso pedimos e solicitamos do governo Nigeriano seu maior envolvimento na libertação das meninas sequestradas e prostituídas, bem como a detenção dos responsáveis e seu comparecimento perante os tribunais internacionais para serem julgados.

 

Lembramos que a razão oficial para a criação do Templo foi, A PROTEÇÃO DOS PEREGRINOS e a PROTEÇÃO DOS MAIS FRACOS, e cremos, desnecessário se faz dizer, que TODAS as meninas têm direito a poder viver em liberdade.

 

Pedimos a participação e colaboração de todas as Ordens Templárias para que apoiem publicamente este manifesto transferindo-nos a vossa adesão, a fim de que, ao cabo de alguns dias, possamos apresentar perante os organismos internacionais este manifesto.

 

Por isso solicitamos a todas as Ordens Templárias, assim como a todos os Templários, que enviem o texto do Manifesto à embaixada da Nigéria em seus respectivos países. Esse manifesto será encabeçado pelo mote “Los Templarios Pedimos”, com um só grito templário, em lembrança e honra de Nossos Antecessores Templários que, seguramente, uniriam todas suas forças para ajudar a defender a honra, a dignidade e a liberdade de todas essas inocentes meninas.

 

Contactos:   0034 672 110 817    (Spain – España)

 

hispaniatemple@live.com     

 

osmtj@hermandadtemple.org

 

Rogamos que transmitam a todas as ordens amigas e conhecidas esse manifesto para conseguir a máxima força e repercussão possível.

 

Oxalá consigamos o objetivo da libertação de todas as meninas.

 

Todas as ordens que assim o desejarem, devem comunicar o desejo de colaboração, e somente aquelas ordens que assim o pedirem, aparecerão seus nomes numa lista de ordens que oficialmente aderiram à campanha.

 

Agradecendo de Todo coração e rogando a Nosso Senhor para que ilumine Nossos Caminhos, aproveitamos a presente para unirmo-nos todos em um Grande e Triplo Abraço Templário.         

“Eneas”   Prior

 

                                                              Non Nobis Domine, Non Nobis. Sed Nomine Tuo Da Gloriam

 

O MANIFESTO

 

                  TempleBrasil

Ordo Supremus Militaris TempliHierosolymitani – OSMTHPorto - PT

Priorado Magistral do Rio de Janeiro – Brasil

             

“Los Templarios Pedimos

 

Ante os horríveis fatos ocorridos na Nigéria, como o foi o sequestro de umas meninas indefesas e sua posterior prostituição, Os Templários tem a dizer:

 

MANIFESTAMOS

Total repúdio, e que todas as meninas da Nigéria e do Mundo Têm direito a poder viver Dignamente e em Liberdade; e,

Condenação enérgica a qualquer abuso e injustiça que se possa cometer contra qualquer menina.

 

EXIGIMOS

A todos os Poderes Públicos, (nacionais e internacionais) para que se adotem todas as medidas que sejam necessárias para:

·      A libertação imediata de todas as meninas sequestradas;

·      A reinserção Social de todas elas; e,

·      Que legalmente se julgue de forma Exemplar seus sequestradores.

O Templo vive e Atua.

 

Rogamos e Oramos por todas essas Meninas, mas faz falta algo mais: que a humanidade comece a Caminhar pelo Caminho da Justiça e dos Direitos Humanos.

 

 

                                                       Non Nobis Domine, Non Nobis. Sed Nomine Tuo Da Gloriam

ARAUTO DO TEMPLO

 

 

sábado, 10 de maio de 2014

Para além dos dogmas - Por Frei Betto

Aos Irmãos Templários preocupados com o crescimento espiritual, recomendo a leitura do artigo abaixo. Verão que veste como uma luva no nosso Sumário de Conduta. Basta entender que nosso comportamento tem por base o cristianismo pregado por Jesus como uma filosofia de vida.  

 

Para além dos dogmas

 

A espiritualidade é anterior à institucionalização das crenças e, em vez de respostas, traz perguntas, tolerância, meditação.

Por Frei Betto

 

Participei, de 1º a 4 de maio, do Encontro Nacional de Juventudes e Espiritualidade Libertadora. Reuniu cerca de 400 pessoas em Fortaleza, a maioria com menos de 30 anos. A notícia triste foi a transvivenciação, em Goiânia,, dia 2, de Dom Tomás Balduino, bispo dominicano defensor de indígenas e sem-terra.

Há, hoje, uma busca difusa por espiritualidade. Porém, os sedentos não encontram com facilidade o caminho do Poço de Jacó (joão 4).

Até o surgimento do cristianismo, as religiões se prendiam a limites étnicos, culturais e territoriais. O apóstolo Paulo universalizou a proposta de Jesus, estendeu-a a todos os povos sem precisarem renunciar a suas identidades culturais.

Porque espiritualidade e não propriamente religião? Espiritualidade e religião se complementam, mas não se confundem. A espiritualidade existe desde que o ser humano irrompeu na natureza. As religiões são recentes, datam de oito mil anos.

A religião é a institucionalização da espiritualidade, como a família o é do amor. Há relações amorosas sem constituir família. Há espiritualidade sem identificação com religião. Há, inclusive, espiritualidade institucionalizada sem ser religião, caso do budismo, uma filosofia de vida.

As religiões, em princípio, deveriam ser fontes de espiritualidade. Em geral, elas se apresentam como catálogos de regras, crenças e proibições, enquanto a espiritualidade é livre e criativa. Na religião predomina a voz exterior, da autoridade religiosa. Na espiritualidade, a voz interior, o “toque” divino.

A religião é instituição: a espiritualidade, vivência. Na religião há disputa de poder, hierarquia, excomunhões, acusação de heresia. Na espiritualidade predominam a disposição de serviço, a tolerância para com a crença (ou a descrença) alheia, a sabedoria de não transformar o diferente em divergente. A religião culpabiliza; a espiritualidade induz a aprender com o erro. A religião ameaça; a espiritualidade encoraja. A religião reforça o medo; a espiritualidade, a confiança. A religião traz respostas; a espiritualidade, perguntas. Religiões são causas de divisões e guerras; espiritualidade, de aproximação e respeito.

Na religião se crê; na espiritualidade se vivencia. A religião nutre o ego, uma se considera melhor que a outra. A espiritualidade transcende o ego e valoriza todas as religiões que promovem a vida e o bem. A religião provoca devoção; a espiritualidade meditação. A religião promete vida eterna; a espiritualidade a antecipa. Na religião, Deus, por vezes, é um conceito; na espiritualidade, experiência inefável.

Há fiéis que fazem de sua religião um fim. Ora, toda religião, como sugere a etmologia da palavra (religar), é um meio de amar o próximo, a natureza e a Deus. Uma religião que não suscita amorosidade, compaixão, cuidado com o meio ambiente e alegria serve para ser lançada ao fogo.

Há que se cuidar para não jogar fora a criança com a água da bacia. O desafio é reduzir a distância entre religião e espiritualidade. E não abraçar uma religião vazia de espiritualidade nem uma espiritualidade solipista, indiferente às religiões.

Há que fazer das religiões fontes de espiritualidade, amor e justiça. Jesus é exemplo de quem rompeu com a religião esclerosada de seu tempo e vivenciou e anunciou uma nova espiritualidade, alimentada na vida comunitária, centrada na atitude amorosa, na intimidade com Deus, na justiça aos pobres, no perdão. Dela resultou o cristianismo.

Quem pratica os ritos de sua religião, acata os mandamentos e paga o dízimo, mas é intolerante com quem não pensa ou crê como ele, pode ser um ótimo religioso, mas carece de espiritualidade. É como uma família desprovida de amor. A espiritualidade deveria ser a porta de entrada das religiões.

 

Transcrito da Coluna “Religião” do Jornal O Globo, de 08.05.14

 

 

Arauto do Templo