terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Spread escandaloso do truste dos Bancos

Entende-se perfeitamente que os escandalosos spreads possam vir a ser uma questão de política monetária - maior o spread maior o interesse de capitais estrangeiros ingressando no país, menor a tomada de empréstimos internos e expansão do crédito evitando a inflação. Até aí, tudo bem. O que não se entende é o Banco Central autorizar que os bancos cobrem dos clientes a maioria de seus custos indiretos inerentes à própria atividade - taxa de abertura de crédito, taxa de cadastro, taxa de renovação de cadastro, taxa de transferência, taxa de manutenção da conta....e por aí vai. E tudo isso debitado direto na conta do cliente, fora uma apólice de seguro que é empurrada no cliente, fora os cartões de crédito com suas anuidades astronômicas. Tudo isso seria perfeitamente aceitável se os bancos fossem instituições sem fins de lucro. Mas é exatamente o contrário. É o segmento da economia que apresenta os melhores resultados trimestre a trimestre, ano a ano. Por quê desse privilégio todo? Será que esses custos indiretos não estão sendo cobrados duas vezes - uma, embutidos nos próprios spreads, outra, explicitamente na conta do cliente?

 

Leia a Matéria completa em www.cavaleirotemplario.net/about.htm  - Vale a pena. É uma boa aula de Economia.

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário