domingo, 29 de janeiro de 2012

Aposentada ou na ativa, classe média é quem paga as contas...

Vou ficar só no caso da Aposentadoria. Além de estarmos contribuindo para uma série de gastos que são da responsabilidade exclusiva do Governo, e também para todas as bandalheiras que ocorrem, como já vimos, enfiam a mão no bolso do aposentado para suprimir uma parte da aposentadoria que lhe é devida, para a qual contribuiu a vida toda na expectativa de receber uma determinada parcela, em função de a Previdência não ter caixa para arcar com o compromisso. A esse surrupio deram o pomposo nome de "Fator de Previdência", que instituíram recentemente em desrespeito aos mas de 30 anos de contribuição de muitos trabalhadores e aposentados. Leia a matéria completa em http://www.cavaleirotemplario.net/about.htm

 

Arauto do Templo

 

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

O Trem da Alegria do Itamaraty

Numa conta bastante simples - 600 milhões divididos por 42 milhões (População economicamente ativa - IBGE-Nov.11), dá a contribuição anual não autorizada de R$14,29 por ano por parte dos que trabalham, só para esse minúsculo caso do Itamaraty. Agora, se somarmos 83 bilhões de recursos desviados até 2011 aos 600 milhões do Itamaraty e fizermos a mesma divisão pelos 42 milhões que trabalham honestamente e pagam seus impostos para uma vida melhor e mais decente, teremos a estonteante cifra de R$1.976,00 (3 salários mínimos) por ano. Ou seja, o trabalhador que ganha salário mínimo trabalha 3 meses para sustentar a desonestidade e as falcatruas. A respeito, vale a pena ler a matéria que se encontra em - http://www.sonoticias.com.br/opiniao/10/140722/a-taxa-o-imposto-e-os-politicos  . 
Ao invés de "Faxina" melhor seria uma desinfecção em todos os setores públicos para erradicar as "Bactérias da desonestidade e da corrupção".

 

            A matéria sobre o “Trem da Alegria do Itamaraty” já se encontra publicada em http://www.cavaleirotemplario.net/about.htm

 

Arauto do Templo

 

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Spread escandaloso do truste dos Bancos

Entende-se perfeitamente que os escandalosos spreads possam vir a ser uma questão de política monetária - maior o spread maior o interesse de capitais estrangeiros ingressando no país, menor a tomada de empréstimos internos e expansão do crédito evitando a inflação. Até aí, tudo bem. O que não se entende é o Banco Central autorizar que os bancos cobrem dos clientes a maioria de seus custos indiretos inerentes à própria atividade - taxa de abertura de crédito, taxa de cadastro, taxa de renovação de cadastro, taxa de transferência, taxa de manutenção da conta....e por aí vai. E tudo isso debitado direto na conta do cliente, fora uma apólice de seguro que é empurrada no cliente, fora os cartões de crédito com suas anuidades astronômicas. Tudo isso seria perfeitamente aceitável se os bancos fossem instituições sem fins de lucro. Mas é exatamente o contrário. É o segmento da economia que apresenta os melhores resultados trimestre a trimestre, ano a ano. Por quê desse privilégio todo? Será que esses custos indiretos não estão sendo cobrados duas vezes - uma, embutidos nos próprios spreads, outra, explicitamente na conta do cliente?

 

Leia a Matéria completa em www.cavaleirotemplario.net/about.htm  - Vale a pena. É uma boa aula de Economia.