sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Associação de magistrados cobra do CNJ política de combate à corrupção

Finalmente parece que alguma providência vai ser tomada para se acabar com essa praga que vergonhosamente assola nosso País. Não é sem tempo, pois há muito que vem destruindo a qualidade dos produtos e serviços públicos e também a qualidade de vida de todos. No final, quem paga essa conta é sempre o contribuinte, pois o empresário pagando propina, para ter lucro ou aumenta o preço do produto ou serviço, ou diminui a qualidade dos mesmos. Não é à toa que estamos vendo viadutos desabarem, estradas esburacadas, apagões, hospitais sem equipamentos...E o governo, para refazer as obras acaba tendo que aumentar os impostos. Enfim, esperamos que medidas sejam tomadas de fato, não fiquem só nas intenções.

 
 

Enviado para você por tpllucis@yahoo.com.br através do Google Reader:

 
 


Em meio à crise no Distrito Federal, após as denúncias envolvendo o governo de José Roberto Arruda (DEM), a AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros) encaminhou ontem ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça) um requerimento cobrando providências para a criação de uma Política Judiciária de Combate à Corrupção. Segundo o presidente da AMB, Mozart Valadares, há mais de dois anos e meio, a associação sugeriu que o CNJ tomasse medidas no sentido de regulamentar, normatizar, recomendar e fiscalizar que os magistrados e os tribunais brasileiros dessem prioridade ao julgamento de processos relativos à corrupção e defesa do patrimônio público que envolvem agentes públicos. A associação também defende o fim do foro privilegiado e a criação, estruturação e difusão de varas e câmaras especializadas para julgar crimes cometidos por detentores de foro privilegiado. Leia mais (04/12/2009 - 11h04)

 
 

Coisas que você pode fazer a partir daqui:

 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário